Páginas

domingo, 31 de outubro de 2010

Pensar é uma droga (ou não)

   Não é que os meus amigos me influenciam, não, eles me inspiram. Inspirar-se em algo ou alguém, é bem mais positivo que ser influenciado. Eu não penso nada só porque fulano também pensa, algumas verdades para mim podem não ser verdades para outras pessoas, na verdade, quando penso em algo que saiu de alguma inspiração, seja em um filme, em uma conversa com alguém, eu tenho opniões próprias, mas se eu concordar com alguém, isso não é nenhum crime. Bom, voltando ao assunto, que aliás eu desviei muito, pensar é e não uma droga, essa é minha opnião acerca da frase "pensar é uma droga" dita por um amigo que em uma conversa dessas, argumentou que muitas vezes é melhor agir apenas por instinto.
   E pensei bem nisso (note: eu só escrevo assim quando uma coisa que aconteceu, ou que ouviu me marcou muito, claro) e depois de tudo, minha conclusão é que não serve agir apenas por instintos, até porque o impulso às vezes até atrapalha, temos também que pensar se o que estamos prestes a fazer é mesmo o que queremos (eu não vou dizer "se é mesmo certo ou errado" porque aí já é uma questão de ponto de vista, não existe certo nem errado). Então, tudo o que eu fizer será e não calculado, deixarei e não a vida correr naturalmente. Porque a vida cada um faz a sua.

Amor e dinheiro cegam...

...Mas, entre a cegueira do dinheiro e a do amor, prefiro a do amor. Acabei de pôr isso no Twitter depois de uma brincadeira feita por uma amiga que disse: "Nem doces, nem travessuras, eu quero é dinheiro"

  Bom, ela me respondeu que realmente estava brincando e achou que o que eu tinha dito acerca daquilo, fosse uma indireta. E não era... O fato é que quando ela colocou isso, automaticamente me inspirou a frase.
  Porque realmente, amor é mais divertido que dinheiro (falou a voz da experiencia, hein?), enfim, adoro quando alguma coisa que vejo ou que vivo por ai abre minha mente e me inspira a escrever ou fazer seja lá o que for. Pois eu digo uma coisa: Eu quero doces, travessuras, amor e tudo mais que a vida tiver para mim!

segunda-feira, 25 de outubro de 2010

Como pode?

    A criatividade morar na própria falta? Está ai algo estranho vindo até mim. Até sem algum assunto em especial para escrever, eu me aventuro em escrever algo mesmo assim, mesmo que seja na falta de criatividade como estou agora. É engraçado como a mente nos engana. A gente sempre tem algo a dizer, nós é que somos duros consigo e persistimos em esquecer que sempre se tem algo a dizer ou até mesmo a ouvir.
     O que aliás desvia o assunto completamente, afinal, é isso o que o ser humano tem mania de fazer ( observando que eu não estou julgando ninguém, estou no mesmo saco de farinha que qualquer um), julgar antes de conhecer, ou até mesmo de ouvir o que o outro tem a dizer. Ninguém mais tem aquela capacidade de fazer ao contrário. E as manias humanas não consistem apenas em não parar para ouvir o próximo, mas parar para se ouvir, para ouvir suas próprias necessidades. Temos sempre uma forma de se esconder dos próprios apelos, das próprias angústias. Nada disso resolve, até piora tudo.
   Agora, realmente, para ouvir o próximo temos antes, que nos ouvir. Para ajudar o próximo, temos antes que nos ajudar. Porque a incapacidade de ajudar alguém mora na capacidade de não se ajudar.

segunda-feira, 18 de outubro de 2010

Amor = Ilusão?? Não sei disso não!

   O que tenho a dizer é uma indignação que sempre me vem quando saio por ai. Não aguento mais chegar seja na escola como em qualquer lugar que tenham adolescentes da minha idade e sempre tem alguns (ou são todos os que eu vi por enquanto) que vivem dizendo que não existem belas palavras como "eu te amo", que isso tudo na verdade não passa de uma ilusão, ou que sempre acaba em um par de chifres, sexo e outras baixarias que eles vivem repetindo.
   Eles nem ao menos sabem o que é amor, muito menos sabem o que é o ato de amar. Mas ora essa, não é na mesma hora que uma pessoa encontra outra de cara e esse encontro se transforma em amor. É algo a ser construido...E mesmo assim, amor é uma descoberta. Ninguém nasce sabendo ou amando certo indivíduo.
    Então aí vai um recadinho: Vocês ainda vão retirar todas essas terriveis coisas que vivem repetindo. Quando  encontrarem alguém (porque sei que apesar de tanta malandragem ou negatividade, que seja, vocês tem alguma coisa dentro de si, algo de bonito que ainda vai saltar de vocês), vão amadurecer e vão repetir para si mesmos: "Puxa vida! Como fui insensível e idiota!"
  
Fim de papo e até a próxima!

sexta-feira, 15 de outubro de 2010

Doce Infância!

     Bate uma saudade incrível daquela época tão pura, tão inesquecível! Saudade daquelas puxações de saco de minhas irmãs, daquelas brincadeiras que me faziam gargalhar até minha barriga doer... É nostalgico escrever algo assim, do nada. Mas há coisas na vida que merecem ser lembradas eternamente. É, dá saudade daqueles deseinhos dos anos 80 que foram reprisados nos anos seguintes, que foram os que eu vivi na infância, lembram? aquela novelinha Chiquititas, cantigas de roda na escola! Graças a Deus, eu tive uma infância felicíssima!

    De vez enquando minha mãe me lembra de uma frase tão fofa que ela repetia para mim quando eu era pequena: "Minha querida, linda, fofa, cheirosa, sensacional, extraordinariamente bela!"
    Não que eu mesma lembre, é claro que ela me conta...
    Pensando bem, quer saber? Não precisamos esquecer dessa parte doce da vida, podemos ainda não ser tão sérios, achar alegrias em mais coisas nela. Isso sim seria aproveitá-la. Não esquecendo de nenhuma das fases.

E para fechar com chave de ouro, uns vídeos lindinhos para lembrarmos dessa alegria pura de criança que, na verdade, a gente nunca perde. A gente só esquece e isso fica aí perdido no fundo de nós.

P.S: Eu não achei um video dos ursinhos carinhosos que eu podesse incorporar aqui...Infelizmente. Mas, colocarei o link aqui para o acesso do mesmo:  http://www.youtube.com/watch?v=bTCuOTijCzc&feature=PlayList&p=D39F3CFC669F1CAC&index=0&playnext=1

Esse último confesso que não lembrava... São tantas lembraças!