Páginas

terça-feira, 30 de novembro de 2010

E essa juventude!?!?

    É, eu concordo plenamente com quem a chama de juventude transviada. E eu ainda completo, a chamo de precoce, me arrisco também em chamá-la de impura. Me pergunto todo dia onde esse mundo vai parar com todas essas notícias que vemos por ai de jovens de 20 para baixo se drogando e praticando crimes muitas vezes bárbaros, meninas com idade bem mais inferior se prostituindo. Bom, é uma grande falta de atenção da política aos mais necessitados, disso todo mundo sabe. Mas a questão toda vai bem mais além das necessidades físicas e mentais da sociedade, há também em alta quantidade, ausência de amor.
    Sim, esse é o principal motivo que acarretou aos jovens do mundo a tomar esses tipos de caminhos.
    A contrução da dignidade humana de um indivíduo começa em seu lar, com a sua família, se os pais de uma criança a tratam com carinho, ela responderá ao mundo com carinho, se esses pais a tratam com violência, desamor, alta agressividade, ela mais tarde estará tomando os mesmos caminhos, com tais atitudes. Com certeza isso virou um ciclo há muito tempo, mas sinceramente, os que não agem com tal comportamento muitas vezes discordam disso tudo, o único problema é que eles ficam sentados sem fazer nada. Por medo? Tá, que seja, mas que todos saibam que com isso, só contribuem para o crescimento de todos esses casos.
    Se todos fizessem a sua parte de denunciar violência à criança, mulher, ou seja lá quem for, tenho certeza de que as porcentagens que vemos todos os dias nos jornais de mortes diminuiriam bastante, e favoreceriam o crescimento de um mundo mais justo, mais seguro e mais feliz para nossos filhos, netos e os filhos deles.
   O universo vive a base de trocas, você recebe o que dá, mais cedo ou mais tarde, suas ações têm uma consequência, não interessa quando essas consequências vêm, de qualquer forma elas baterão a sua porta.
   É triste ver como no mundo há uma grande parcela de ignorância, e com ela vem o desconhecimento da vida, do amor, e do que mais realmente importa. Muito fácil é achar que só você tem sentimentos e que só você pode ser ferido, afetado de alguma forma (inúmeras formas), será mesmo que é tão difícil enxergar que os outros também sangram? Será mesmo que só há alguns livres de culpas e de responsabilidades das suas ações? Ora, se as pessoas vivem mesmo, o simples fato de viver já é uma ação. Então viver já é uma responsabilidade. Mas aí é que tá, não venha confundir responsabilidade com culpa.
   Responsabilidades, você tem o tempo todo, elas vêm de acordo com sua maturidade. Muitas delas são decisões a tomar, mas também é o bom-senso de enxergar se isso pode ou não ser uma boa decisão, porque uma pessoa responsável não sai por aí fazendo o que der na telha sem medir os impactos que essas ações podem provocar. Culpa já é até um termo mais pesado. Diria que ela é até negativa. Porque culpa é na verdade um sentimento que você tem por não se responsabilizar por alguma coisa, por não ter feito, ou mesmo por ter feito (note: não fazer já é uma ação, é deixar de fazer) algo que não deveria. Eu tenho essa coisa de "algo que não deveria" apenas como distinção de mais ou menos adequado, e não "certo ou errado". Isso tudo porque tudo o que executamos tem uma reação, seja ela positiva ou negativa, pronto, é aqui onde eu quis chegar: Não existe mesmo nem certo, nem errado, existem resultados positivos e negativos, dependendo do ponto de vista de cada um, dependendo das situações.
   Enfim, do que o mundo mais precisa é de sabedoria, amor, afeto...

   Finalizando, o que eu penso mesmo é que Responsabilidade é inevitável, a culpa, opcional.

Um comentário:

  1. Falei que tá ficando profunda? Pois é... muito boas reflexões, viu? Continue lendo o mundo e nos deixando suas impressões.

    ResponderExcluir