Páginas

sexta-feira, 18 de março de 2011

Eu, caçador de mim



     E por tanto tempo, eu venho me procurando. Tentando achar respostas de mim para mim.  O engraçado de tudo é tentar me esconder, talvez fugir de mim. Mas tal separação é impossível.  Vizualizar o universo sem voltar os olhos para si não foi realmente a melhor das escolhas.

     No fundo, é um alívio descobrir que a chave para isso tudo se resolver é tentar me apropriar de mim. Talvez assim eu preste mais atenção às oportunidades que eu deixo passar sem mais nem menos. Porque realmente é como diz ditado* : Oportunidade é como uma mulher  de rosto magnífico, de pele banhada com óleos, careca e com apenas um tufo de cabelo na testa. Se você não agarrá-la pela testa, é certo que a deixará fugir.

     É como diz a musica: nada a fazer se não esquecer o medo ♪.  Acho que nós, seres humanos não tão inocentes, deixamos de viver, por medo de se arriscar. Sei lá, no  fundo eu sei que todas essas coisas, são espaços que eu mesma fechei. São lagos onde não pulei. E agora, procuro por tudo isso de novo.

     Nunca mais, nunca mais, vou deixar Eu fugir de Mim. Seguirei nessa eterna procura.

     E realmente não dá para dizer que sou, e pronto. Sou, fui, serei! Isso sim é o tempo todo.

* Ok, não sei se é mito grego, lenda, ou ditado, só sei que conheço isso através da minha mãe (muita novidade, não?). Enfim, se alguém puder esclarecer, ficarei grata. Revirei nos Googles da vida e não encontrei nenhuma informação.
  

Nenhum comentário:

Postar um comentário