Páginas

sábado, 30 de abril de 2011

Os dois lados da moeda.




   As imagens que seguem abaixo fazem parte do muito que tenho a dizer. E iniciarei tudo com algumas interrogações e respostas minhas sobre comentários que ouvi sobre o filme Cisne Negro. Denso? Bastante. Um thriller psicológico? Não só isso. Eu sinceramente vi muito mais do que apenas uma jovem passando por conflitos internos e externos por conta da grande pressão sofrida por ela. Já vi filmes que realmente deram a impressão de ser apenas isso, e não foi o caso do filme em questão.
  Gostei bastante do filme. E, quando assisti, logo me veio a idéia de ligar o Tao, da filosofia chinesa, com o filme e por fim, nós, seres humanos. Porque o Tao não é apenas a representação que todos conhecem:
  Yin: Escuro, frio, noite, lua
  
  Yang: Claro, luz, sol, quente.
   Podemos relacionar também, ao mental e físico de um ser. Resumidamente estou falando do Yin-Yang, claro. Até porque há muita coisa para conhecer sobre isso. A filosofia chinesa é de uma complexidade incrível, mas que é maravilhosamente convidativa... E a relação disso tudo com o filme? Como eu disse, o Yin-Yang não fala apenas da relação de duas energias contrárias que se relacionam em um sistema. No caso do filme, muita gente deve ter comentado que temos dois lados, e ambos são importantes para que haja de fato um equilíbrio. Sem dúvida, isso está correto. Também concordo com isso. E foi exatamente aí que fiz toda essa relação.
  É como se a personagem, quando está executando a performance do cisne branco, inocente e puro, ao mesmo tempo que ela parece ter receio de entrar em contato com seu lado sombrio, ela quer desesperadamente se libertar. E para ter essa liberdade, através da dança, trabalho para o qual vivia, tentou se "soltar" que é o que nada mais, nada menos, esse trabalho exige. Na história toda do Lago dos Cisnes, vi a transformação do cisne branco, para o negro, da mesma forma como ocorre o equilíbrio do Tao: Ao atingir seus limites, o cisne branco conseguiu entrar em contato com seu lado oposto. O mesmo ocorre ao contrário. Havendo um certo desequilíbrio que a leva a morte, tanto representativa, na peça, quanto na realidade da personagem .
  Por isso que eu sempre costumei pensar que nada funciona na base do extremo. Nesse equilíbrio existem extremos? Sim, mas, justamente por ser um equilíbrio, ele não permanece em estados extremos por muito tempo. E se acontecer, as coisas saem de ordem. Ah, e lembrando também, que cada um possui um pouco do oposto. Dentro do Yin há uma energia Yang estagnada, que quando Yin chega ao seu limite,como falei, essa energia estagnada se liberta se tornando a outra metade e virce-versa.


Livro-Mundi, Mapa(mental)-Mundi, enfim...

   Esse é o livro da minha vida. É o meu mundo. Um mundo que talvez nem seja só meu. Na minha mente, viajo das mais possíveis, impossíveis, imagináveis (ou não) e miraboláveis formas. Costumo pensar que há mundos paralelos ao meu. A minha noção de mundo não é só esse mundo, planeta Terra, mas é um conjunto infinito de dimensões, formas, cores, e é incrivelmente relativo. A realidade é uma coisa engraçada, enquanto uns veêm algo, e têm certas formas de lidar com aquilo, outros têm outras formas. Isso só não acontece com objetos concretos, o que é palpável. Como já li por aí, ''depois de escrito, um texto já não lhe pertence'', então, meu mundo "bloguístico", não é tão diferente do resto. Maaaas, claro que tenho aquele lado secreto que todos têm. Não deixo de concordar que certas vezes, segredos podem sim destruir a vida de quem os guarda. De onde tirei isso? Aqui ó. Enfim, aí do lado direito, os links não param aí à  toa, eles me inspiram, e me fazem ter diversos sentimentos quando os leio, independentemente do que seja.
   
   E não pára por aí. Não são apenas imaginações, imagens mentais, pensamentos que me levam a sair do chão às nuvens. São sonhos, tudo o que faz parte de mim. Tava cansando, já, dessa oscilação no meu blog, mudou diversas vezes, e eu não estava tão empolgada assim. Bem, não frescura, mas é que aqui, no meu espaço que divido com vocês, tento fazer uma aproximação do que é o meu mundo interno aqui. Não tudo! Ou vocês acham que eu daria o meu particular de bandeija?  Pois bem, não vim falar de oscilações e mudanças. 

  O melhor refúgio é minha mente, livros, reflexões, pensamentos, música, imagens, pessoas! Nem precisa a família e os amigos ou quem quer que seja o querido, falar comigo. Às vezes só precisamos conversar nos gestos, olhares, sem explicar nada. Tem tanta coisa que surge e não precisa de complemento, assim são as relações. Vai que só precisa de um abraço? Vai que se entende tudo com um simples ruído de silêncio?
   
  Assim é o meu mundo. Por mais que eu ache abstrato, só eu posso enfrentar e ao menos tentar decifrar, seja dando cores, traços, deixando pegadas por onde passo, impressões, enfim, só eu posso me dar a liberdade de fazer isso. Tudo o que sou, não é só o que escrevo sobre mim, não só o que falo de mim para mim e para quem lê. Sou também meus sentimentos que tenho ao ler palavras de outros, sou também minhas viagens que faço com um livro aberto diante de meus olhos, sou os belíssimos sons que ouço, sejam as músicas que amo, sejam os sons da natureza anunciando o amanhecer.

  Eu, sou da mais simples forma que existe, conjunto de mim. Sou o que conheço, sou também tudo aquilo que, por mais que eu tente entender, o que não conheço. Sou a minha transcedência ao entrar em contato com todas essas maravilhas da natureza e da vida. Todas aquelas coisas que encantam meu ser. Eu sou eu, da mais simples e complexa forma possível e impossível que exista. Eu sou o mundo. Eu sou parte do mundo.
 

quinta-feira, 28 de abril de 2011



    Tem dias que a gente se sente como quem partiu ou morreu. A gente estancou de repente ou foi o mundo então que cresceu... A gente quer ter voz ativa, no nosso destino mandar, mas eis que chega a roda viva e carrega o destino pra lá... Roda mundo, roda gigante, roda moinho, roda pião. O tempo rodou num instante nas voltas do meu coração... A gente vai contra a corrente até não poder resistir!  Na volta do barco é que sente, o quanto deixou de cumprir. Faz tempo que a gente cultiva a mais linda roseira que há, mas eis que chega a roda viva e carrega a roseira pra lá... Roda mundo, roda gigante, roda moinho, roda pião. O tempo rodou num instante, nas voltas do meu coração...
   A roda da saia mulata, não quer mais rodar, não senhor! Não posso fazer serenata, a roda de samba acabou... A gente toma a iniciativa, viola na roa a cantar, mas eis que chega a roda viva, e carrega a viola pra lá... Roda mundo, roda gigante, roda moinho, roda pião, o tempo rodou num instante nas voltas do meu coração... O samba, a viola, a roseira, que um dia a fogueira queimou. Foi tudo ilusão passageira que a brisa primeira levou... No peito a saudade cativa, faz força pro tempo parar, mas eis que chega a roda viva e carrega a saudade pra lá... Roda mundo, roda gigante, roda moinho, roda pião, o tempo rodou num instante, nas voltas do meu coração.

  

segunda-feira, 25 de abril de 2011


''Que o espelho reflita em meu rosto um doce sorriso
Que eu me lembro ter dado na infância

Por que metade de mim é a lembrança do que fui
A outra metade eu não sei.


Que não seja preciso mais do que uma simples alegria
Pra me fazer aquietar o espírito
E que o teu silêncio me fale cada vez mais
Porque metade de mim é abrigo
Mas a outra metade é cansaço.


Que a arte nos aponte uma resposta
Mesmo que ela não saiba
E que ninguém a tente complicar
Porque é preciso simplicidade pra fazê-la florescer
Porque metade de mim é platéia
E a outra metade é canção.


E que a minha loucura seja perdoada
Porque metade de mim é amor
E a outra metade também."

sábado, 9 de abril de 2011

Eu que não quero ser curada.


            Peguei a Gripe do Amor, não adianta doutor!
             Tô tento piripaque, por favor, não me salve.
               Quero morrer de amor ♪ ♫ ♪


Felicidade não bate na porta de ninguém... E o Destino?



    ...Nós é que temos que bater na porta dela.  Felicidade não é uma meta, mas um conjunto infinito de objetivos. No dia que o ser humano parar de sonhar, vai parar de viver, estará apenas vegetando e estará infeliz. Felicidade é uma ponte para se chegar ao outro lado, uma ponte a qual você contrói a medida que vai atravessando o rio.

       Para mim, as coisas realmente não se resumem em buscas constantes pela felicidade. A vida é uma aventura e tanto para ser tida como principal objetivo.  Acho que quero fazer da minha vida, um livro cheio de experiências, sejam elas como forem.  Não me interesso em resumir minha vida em uma simples busca da felicidade, porque tem muita coisa para ver além da felicidade.

       E o destino? Acho muito relativo. Quem sabe o indivíduo não se acomode na idéia de que tudo na vida depende do destino, e que tudo já está pronto para acontecer, na hora certa e blá blá? Devem ter pessoas assim, hoje em dia tem de tudo. Mas o futuro está em constante mutação de acordo com o presente.

        Eu chamo o universo de destino. Se você pára, fica parado, e pronto, o universo pára junto. E com essa parada, as coisas também podem sofrer consequências.

quinta-feira, 7 de abril de 2011

Jornadas



     Jornalista não é apenas a denominação dada ao profissional que cuida das noticias que rolam pelo mundo. Tem algo a mais: Jornalista é um eterno viajante, senhor de suas e de outras belas jornadas pelo universo!  Dou graças a Deus que cada um de nós temos uma leitura diferente do que há a nossa volta.

    Se bem que o papel desses belos indivíduos é também modificar o mundo com seu poder de expressão. Não há forma melhor de difusão de idéias que mais tarde serão de altíssima ajuda para toda a humanidade.
    Sim, eu vejo esperanças em muita coisa onde muitos não levam a menor fé, pelo simples motivo de gostar de pensar que sempre há segundas chances, segundas muitas oportunidades de dizer: "Cai, levantarei e continuarei!"
    
    Jornalista, não é aquela criatura que tem o nome assinado num monte de papel cheio de informações, cujas maioria são noticias não muito empolgantes. Ele é na verdade, mais do que nunca, um ser humano, e tal ser tem a missão de transmitir energia a seu modo. Todos somos seres de luz. Vocês, queridos jornalistas, vieram iluminar todo o resto, com toda sua carisma e capacidade de olhar em volta com um olhar especial. Sempre demonstram o que são e o que realmente pensam acerca de tudo isso que chamamos de universo, essa é a mais belíssima caracterísica de vocês!

   Presto hoje  minha homenagem pelo dia de ontem, dia do Jornalista. Parabéns lindas pessoas!