Páginas

sábado, 3 de setembro de 2011

Não desculpo.

            Desculpar. Uma palavra tão usada, mas que nem poderia. Tal feito é impossível! Soa como desfazer algo, com o simples som dessa palavra imperativa: Desculpe-me! Mas não há como, não há como retirar culpa. Se houver o que retirar, ou amenizar, é o sentimento de mágoa do outro.
           
             O que pode-se fazer, é perdoar, óbvio e simples. Des-culpar é uma proeza pessoal, algo que vem de si e tem efeito no mesmo. Então, não está desculpado! Porque não é responsabilidade minha.

             Desculpe-se, desculpar vem de si, perdoar vem dos outros!

Nenhum comentário:

Postar um comentário