Páginas

quinta-feira, 1 de dezembro de 2011

Eita, esse Homo Sapiens Sapiens...



      Olhe atentamente a foto acima. Notou alguma coisa estranha? Não? Olhe bem, perceba cada detalhe das palavras. "Viver com Aids é possível", sim pois é, é totalmente possível. "Com o preconceito não", aí é que é possível mesmo! Só fica impossível se VOCÊ quiser! Ainda quero estar viva para ver a evolução da sociedade passando a acreditar nisso, sinceramente.
        Tudo o que nos acontece tem algo a nos dizer, um jeito único de nos abrir os olhos. Eu, Dhara, há 17 anos atrás (daqui a menos de uma semana 18, mas enfim), nasci com uma sequela, que acredito eu, que as pessoas vêem isso como um "problema" ou "limitação". Tem até gente que tem alguma dessas (d)eficiências, que adoram enfatizar que é cadeirante, tem alguma sequela, pelo simples fato de achar isso muito ruim e se achar menos do que os outros que nasceram inteiramente "normais". Para mim, isso é um erro um tanto grave. Porque essas pessoas acabam se fechando para um leque de possibilidades que só se abririam para elas, se essas olhassem o mundo por um outro ângulo.
         Se eu já fui assim? Claro que já! Mas, cá entre nós, eu prefiro hoje em dia, porque Deus sabe o que eu passei agindo daquela forma, tanta coisa que perdi... É muito ruim, porque você acaba tendo mais trabalho. É um processo muito grande e doloroso fazer com que esteja onde estou hoje, mas que é gratificante... ô! Na boa, dá uma preguiça danada sentir pena de si e TENTAR fazer com que os outros também o sintam. Poxa, para qual finalidade, me diz, para que diabos serveria pessoas ao seu redor com olhares penosos e comentários do tipo: "Tadinha, alguém assim deve sofrer tanto!"? E sofre, mas sofre mesmo é SE QUISER, eu não quero. Sei lá, tem tanta gente com uma ânsia que não acaba de querer que o preconceito acabe de vez e suma da face da Terra. Então tenho uma notícia para esses ansiosos: Sinto muito, sempre vai existir. Sempre vai existir algum olhar penoso, ou alguém com nojo (é, ainda existe esse tipo). Mas no caso da AIDS é a mesma coisa: As pessoas se deixam abater, porque o nome já diz: Elas SE deixam abater, mas isso pode muitíssimo bem mudar, se elas quiserem. A vida é feita  simplesmente de escolhas, cabe a cada um de nós fazê-las da melhor forma possível. Porque também virou meu lema: A gente nasceu para ser feliz ! E é tão bom, mas tããão bom ser feliz, viu? É uma delícia olhar para si mesma e dizer: Cara, EU ME AMO!
         Falando nisso, uma musiquinha divertida, com uma letrinha boa. Ela é mais direcionada a relacionamentos, mas dá para colocar nessa situação, acredito eu:
            Sendo figurinha repetida, só pode ser verdade. Aquela coisa de "se você não se amar, não será capaz de amar niguém", tantas e tantas vezes a gente vê essa frase, que só pode não ser mentira, né?

Nenhum comentário:

Postar um comentário