Páginas

sexta-feira, 16 de dezembro de 2011

Memória Fotográfica.

      É tão legal quando palavras de força te inspiram... Eu costumava, e ainda costumo, na verdade, a achar certas coisas que me vêm, bobagem, e por isso vem o medo de expô-las. Acabou que nem é, sabe? Você as julga incômodas e aí elas passam dias, semanas e até meses mergulhadas dentro de você, nas suas emoções e até chegam a doer.
       O que eu ouvi hoje, é que se incomoda, se dói, é porque é importante. Ora, porque haveria de ser bobagem se é algo que queima dia após dia dentro de você? A gente tem mais é que acolher, foram essas as palavras que vi hoje, não exatamente escritas assim, claro. Depois eu fiquei pensando que acolher é um tanto diferente de remoer. Acolhendo, você sabe ou está procurando algum modo de aliviar a dor, ou mudar de vez a situação quando for possível (porque sempre é, pode não ser naquele momento presente,mas...). Remoendo, minha mãe costuma dizer que é gostar de sofrer, não faz nada com aquilo, mas reconhece o quanto aquilo dói naquele momento.
        Essa sou eu aprendendo a "fotografar" tudo aquilo que for importante para a minha evolução, que na maioria das vezes, acho até que não serve somente para mim. E ainda falta tanta coisa, tanto o que aprender, tantas virtudes a serem arquivadas na mente e no coração. Porque viver tem disso: querer gravar na mente apenas, é assumir o risco de perder a informação, e provavelmente perder de fato. Quando se faz as coisas com o coração tem-se a vantagem de tornar cada detalhe importante. Coração é o lugar onde não se perde nada, tudo torna-se eterno! Eu, que deixava tanta coisa fugir, estou nessa missão de apalpar cada detalhe, agarrar cada pedaço daquilo que tantas vezes me é importante mas falta minha percepção.
          Porque um dia, aquela coisa de "faça o que eu digo, não o que faço" vira papo-furado. Vira simplesmente algo a ser substituido por algo mais consistente e mais saudável. Porque tudo tem me provado que vale mesmo mais a pena passar por tais experiências e só depois dar o veredito.

Nenhum comentário:

Postar um comentário