Páginas

sábado, 4 de fevereiro de 2012

"Agora é tudo FREE"♫ ♪ - Mas não é MESMO!

            Como não dá para fugir de quem eu sou (não que eu queira fazer isso...), sempre me vêm aquelas conversas internas quando eu resolvo abrir os olhos ao mundo, e os assuntos quase sempre têm relação com minhas questões da "deficiência" (palavrinha chata, essa...) física e idéias que gosto de compartilhar, desde comentários até vivências. E hoje o que me veio é um breve comentário.
             Como qualquer ser humano em eterna evolução, estou muito longe da perfeição e da isenção de sofrimentos, afinal, faz parte do espetáculo tombos, choros, gritos... Não só risadas.
             Sinceramente, eu não abriria mão por nada nesse mundo da vida que tenho. Já perdi tempo me queixando e me perguntando por quê não é diferente, por que comigo, ai-como-sofro-sou-coitadinha-ninguém-me-ama-ninguém-me-quer. E não é bem assim,muito pelo contrário! O fato de eu ter nascido com esse quadro é que me faz pensar que nada é por acaso. E nesses últimos anos da minha vida pude observar, sentir, concluir, adorar a minha vida tal como ela é. Durante muito tempo eu senti as dificuldades me sufocarem, mas isso tudo pode ser deixado para trás quando aprendemos a lidar com tudo o que vem pela frente. Claro que não é nada fácil se acostumar com as limitações (outra palavra chata, vez em quando não consigo achar palavras melhores para substituir.), e quando se faz mudanças através de intervenções cirúrgicas,então, é complicado ter de remodelar a vida todinha por causa disso!
              Mas não faz o menor sentido estragar toda a minha doce vida me achando menor que meus problemas. Acredite, pode ser uma frasesinha batida, clichê, mas, os seus problemas NUNCA FORAM e NUNCA SERÃO maiores que você SE VOCÊ QUISER! É esse o meu breve comentário: Nada vem de mão beijada, nada é de graça, nada vai cair do céu só porque tem gente que tem medo da vida. Eu não tenho. Amo o que eu sou. E a recompensa de todos esses desafios é o reconhecimento da felicidade plena de ter sempre pessoas incríveis ao meu lado, de superar e continuar viva e bem, de nunca me deixar secar, de reconhecer que limites são nada mais que mentais. E que eu me acostumo tanto, que quando as coisas ficam quietas demais, eu até estranho! As pessoas deveriam deixar de querer que tudo seja facinho e deixar também aquela mania de procurar pela vida perfeita, paz inabalável, nada de sofrimento. Não precisa remoer, é só dar um significado especial a isso, que tudo se torna uma parte interessante da vida.
                
               Porque sem dor, como distinguir o sabor?

P.S: Carpe Diem!