Páginas

quinta-feira, 26 de abril de 2012

Neutra.

É indispensável que o ser humano seja forte, resiliente. E é incrível como as coisas funcionam como se houvesse algum limite, mesmo que queiramos superá-lo e passar por cima de todas as circunstâncias que ferem. E essa hora chega: Aquela paciência parece desaparecer e emocional/racional são confundidos ou até mesmo igualados. Não pensamos antes de agir, ou se pensamos, não conseguimos pensar em mais nada além de querer resolver as coisas a todo custo. O engraçado é quando temporariamente a dor é aliviada e tentamos levar a vida normalmente para depois, explodir, quando tudo volta. Porque nunca foi embora.

E como se não bastasse, vem o cansaço de todas essas fases "ciclo-viciosas". Impotência dos dois lados, tanto vindo de você mesmo e daqueles que estão ao seu redor que acabam tomando as suas dores por isso. Só sei que depois de tanto amargor, o melhor aparentemente a se fazer é deixar acontecer e fingir uma indiferença.

É uma verdadeira ironia que algo externo doesse tanto, talvez até mais do que se fosse algo consequente de suas ações, algo que exigisse atenção sua especial para o interno.

Enfim, nada.

Ou...