Páginas

terça-feira, 15 de maio de 2012

Metamorfose

Já leram minhas coisas aqui e concluíram: "Mas essa é a Dhara ideal, não é?". Pior que é. Às vezes chamo meus textos de "pequenos retalhos de um longo tecido". Explico: Nem tudo que pára aqui me descreve. Algumas vezes (para não dizer na maioria delas... err), são devaneios, planos, desejos
(que dá quase no mesmo que devaneio mas ok) de um mundo ideal, puro idealismo, puro querer,ou até mesmo sentir. E ainda tem a vida fora dos textos, é claro.

Esse é o meu tecido, essa é minha vida! Cada retalho, linha, ponto é só uma pequena parte de um enorme todo! Mas eis que em um momento qualquer dessa vida terei de um dia tirar a plaquinha de "em construção" e inaugurar alguma coisa consistente. Isso é óbvio, porque ninguém vai conseguir passar a vida inteira no esboço do desenho, um dia terá de finalizar a pintura! Até gostaria de passar um bom tempo me deliciando com os esboços, pinturas inacabadas, sonhos, imagens, ensaios do que pode ser, talvez nem venha a ser, mas tomara, se eu quiser. Pois é, é isso, se eu quiser. Mas parte disso parece há quilômetros de mim. Como se querer não bastasse, como se não dependesse de mim.

Às vezes só cabe mesmo aceitar certas coisas que vêm e só se pode seguir se passar por elas. Seria injusto então, matar tanta beleza por tão pouco.
Sonhar pode ser a melhor experiência do mundo, planejar, ou desejar aquilo que só se pode esperar, mas sem desespero. Expectativas podem te encher de boas sensações, mas isso representa um perigo grande caso as mesma não sejam correspondidas.


E há tanta vida lá fora, aqui dentro também. Mas não é nada justo fechar-se para tantos sabores, tantas imagens, cores, sons e silêncios! É muito menos justo ainda viver apenas como de costume. É infinitamente necessário que haja uma saída de mim, que haja coragem para mergulhar em tudo aquilo que não conheço.

É isso, me deu vontade de tropeçar com o novo, ter novas experiências, e de me desacostumar com comfortos. Deu uma vontade insaciável de sair do casulo e voar! E espero que não demore muito...

quinta-feira, 3 de maio de 2012

Angústias Abraçadas.

O resumo de tudo é muito mais que essa tal configuração Nascer>Crescer>Reproduzir>Morrer. Isso é na verdade só a casquinha do pão que acaba de sair do forno. Ainda há muito o que observar, conversar, ler, escrever, aprender, viver, amar... Ainda tem aquele recheio branquinho, macio e suave que derrete na boca a cada mordida. Mas não é muito justo que só por esse fato de sabermos que há tanto o que viver, simplesmente esperarmos cair do céu. O mundo continua em movimento mesmo se pararmos. Não é justo deixar-se controlar quando pode controlar. Sejamos senhores(as) de nossas vidas, e não deixemos nossas vidas tomar controle de nós!

Acolher aquilo que sentimos é inteiramente natural quando temos a intenção de aprender com aquilo e quando procuramos uma forma de ressignificar tudo e dar outra forma a tudo isso. Ainda queria entender o porquê de muitos colocarem a responsabilidade em outras coisas que não neles mesmos. Ou talvez eu até entenda: Pode ser algum medo. Ou porque simplesmente é doloroso se deparar com a possibilidade (ou fato) de que plantamos aquilo tudo para colher o resultado desconfortável de agora. Uma coisa é certa e é bem óbvio: Não se pode construir uma ponte do meio do rio senão começando pelas extremidades,certo? É tudo um processo. Na maioria das vezes isso dói! Mas não adianta, temos MESMO de passar por todas as fases. Não há maior amor por si mesmo que esse que nos faz parar de se masturbar mentalmente pensando besteira querendo desistir e ficar entregue, a mercê do tempo. Mas quer saber? E se descobrirmos que evitar é impossível? Não, não. Não é bem isso o que eu quis dizer. Mas se evitar for desnecessário?

Sei lá, acho que talvez o melhor é mergulhar de cabeça no que vier! E sabe, os dias podem ser exatamente o que quisermos que sejam. Aí embaixo, um filme muito bom que fala exatamente isso: Faça você com que as coisas sejam o que você deseja! Fica a sugestão, rs.

Mudando um pouquinho o foco, mas não muito, sabe o escritor José Saramago? Então:

Definição de filhos



"Filho é um ser que nos emprestaram para um curso intensivo de como amar alguém além de nós mesmos, de como mudar nossos piores defeitos para darmos os melhores exemplos e de aprendermos a ter coragem. Isto mesmo ! Ser pai ou mãe é o maior ato de coragem que alguém pode ter, porque é se expor a todo tipo de dor, principalmente da incerteza de estar agindo corretamente e do medo de perder algo tão amado. Perder? Como? Não é nosso, recordam-se? Foi apenas um empréstimo".


José Saramago

É mega doloroso pensar assim, mas sabe o pior? É verdade! Na verdade, comecei a pensar que a humildade está em percerber-mos que nada é nosso e que todo o resto, tudo o que é palpável (ou não), só nos foi emprestado para nossa evolução, nosso aprendizado. Tenho tudo nas mãos mas não tenho nada. Então melhor penar e lutar pelo que eu quiser ♫ ♪ . É isso! Meio traduzida ao pé da letra, mas acho a música linda. É uma música chamada traduzidamente Paraíso Emprestado, que fala justamente disso tudo. Põe Play que ela é linda!